Marcado: professor

Depoimento: Wanda Cunha

As academias de letras, no Brasil, seguindo à risca o modelo da Academia Francesa, têm como objetivo primordial cultuar a língua nacional. A Academia Brasileira de Letras, conforme seu estatuto, “tem por fim a cultura da língua e da literatura nacional”. A Academia Maranhense de Letras, “tem como objetivo social o desenvolvimento da cultura, a defesa das tradições maranhenses e o intercâmbio com os centros de atividades culturais do Brasil e do exterior”. O professor Paulo de Tarso Moraes (Pautar) preenche todos os requisitos para ocupar uma cadeira na Casa de Antônio Lobo. Além de contribuir para o desenvolvimento da cultura, conhecedor que o é de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira, professor que abraça com esmero a profissão, faz parte de família tradicional de imortais ilustres, a exemplo de seu avô (Nascimentos Moraes), seu pai (Paulo Moraes) e seu tio (Nascimento Moraes Filho). Se o professor conquistasse um assento acadêmico, ganhariam as letras, a Academia e o MaranhãoWanda Cunha, escritora.

Depoimento: Bruno Lima

Pautar, grande professor. Intrigante e articulado, tem o dom de usar as palavras como ninguém. Acredito que vem de berço. DNA forte de uma família tradicional que continua a escrever os capítulos da nossa São Luís, a Atenas BrasileiraBruno Lima, publicitário e diretor de Marketing e Relações Públicas.

Depoimento: Antônio de Jesus

Tive a oportunidade de conhecer o professor Paulo de tarso no fim dos anos oitenta, quando fui trabalhar no Colégio Batista Daniel de La Touche, no bairro do João Paulo. Encontrei, então, um excelente amigo e companheiro. Professor espetacular, dono de um domínio da língua pátria impar. Era e ainda o é querido pelos seus alunos e discípulos. Profundo conhecedor dos meandros da língua portuguesa, considerado um dos melhores mestres dessa disciplina em nosso Estado, onde, ao longo de mais de trinta nos, é educador incansável. Homem honesto, senhor de uma história familiar grandiosa de saudosos poetas, tornou-se um pai exemplar e cuidadoso da sua família, herdeiro de um tino para a escrita e versado em uma prosa fabulosa. O professor Pautar, como assim carinhosamente ficou conhecido, foi e é um homem de grande valia para todos que o conhecem pessoalmente, é um construtor incansável no ensino da língua portuguesa, um mestre na arte do bem falar e da narrativa eloquente ao encaminhar a juventude para bons caminhos e costumes. Ao professor Pautar devo parte dos meus muitos dias em uma boa e construtiva companhia no aprendizado constante do nosso português maranhense “cantado” e decantado por povos de outros estados e, também, no árduo trabalho de educar a nossa juventude, missão sempre encarada com prazer por esse emérito mestre da nossa língua pátriaAntônio de Jesus Pacheco Santos, professor de Biologia e Ciências Naturais de escolas da rede pública e privada de São Luís.